Naming: o que é e 5 erros que você deve evitar

Índice de conteúdo

Caso você ainda não saiba o que é naming, como o próprio nome sugere, o termo significa “nomear“. Apesar de parecer algo simples, afinal, estamos acostumados a dar nome a diferentes coisas e até seres desde a infância, no contexto corporativo ele se mostra mais complexo. 

Sobretudo, podemos considerá-lo um dos processos mais importantes na hora de criar seu negócio — se não o mais. Isso porque o nome dado a sua marca o acompanhará pelo resto da vida, e se ele não for bem desenvolvido, pode empacar seu sucesso. 

Conforme você já deve ter ouvido, a primeira impressão importa. Com relação às marcas, essa afirmação ganha ainda mais peso, afinal, pode ser através dela que o público decidirá acompanhá-lo, seja através de sua identidade visual ou por seu próprio nome. 

Veja, por exemplo, o reconhecimento e a credibilidade que nomes como “Coca-Cola”, “Apple” ou “Microsoft” carregam. Mais para frente, veremos os tipos de nomes a serem considerados durante o processo de naming e, então, você entenderá também o porquê desses exemplos serem tão bem-sucedidos. 

Nesse sentido, continue a leitura para entender com mais detalhes o que é naming, como ele funciona e os 5 erros que você deve evitar durante o processo. Boa leitura! 

 

Processo de Naming

Afinal, o que é Naming? 

Segundo a definição acima, vimos que “naming” significa “nomear”, o que remete ao processo de criação de nomes para marcas. 

Não apenas, como também, trata-se do nome ideal para seu negócio, capaz de estabelecer uma identidade sólida e que transmita o contexto da empresa. 

Sendo assim, é preciso identificar e analisar os valores, propósitos, serviços e produtos oferecidos, a história e demais aspectos relevantes da empresa para entender o que ela deseja transmitir a partir de seu nome. 

Sob o mesmo ponto de vista, o processo de naming envolve a união da criatividade à estratégia. Isto é, a primeira, garantirá que o nome desenvolvido seja autêntico e impactante, enquanto a segunda cuidará para que ele se estabeleça de forma positiva no mercado e o público o receba bem. 

Fatores importantes durante o Naming 

Em continuação, mais do que criatividade e análise estratégica, é preciso atentar-se às questões legais de registro do nome da marca. Ao contrário, de nada adiantará você ter passado pelo processo de naming e, até mesmo, ter começado a desenvolver sua identidade visual, se o nome escolhido estiver indisponível para uso no INPI (Instituto Nacional de Propriedade Industrial). 

Em outras palavras, apenas entender o que é naming não significa que isso já baste para criar um bom nome para sua empresa. Sem dúvida, a decisão final precisa ser feita com cuidado, considerando o impacto que ela causará, se realmente passa a mensagem que a marca deseja e se está disponível para registro. 

Sendo assim, podemos destacar os principais fatores que sustentarão um bom nome para sua empresa: 

  • criatividade, autenticidade e impacto; 
  • posicionamento e diferenciais no mercado; 
  • legalidade e disponibilidade de uso. 

 

Por fim, com o intuito de extrair informações relevantes que aumentarão a assertividade do processo de naming, é necessário a empresa ter um bom posicionamento, o que, basicamente, remete a toda a construção do branding da marca. 

Antes de continuar a leitura, para entender o que branding significa, acesse este link e leia nosso artigo sobre O Impacto do Branding para Pequenas e Microempresas. 

 

Receba dicas e materiais exclusivos!

Também não gostamos de SPAM e prometemos manter o teu endereço de e-mail seguro.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade e com os Termos de Uso.

Tipos de nomes utilizados durante o processo de criação 

Agora que você já sabe o que é naming, mostraremos os tipos que podem ser úteis na hora do brainstorming para encontrar o nome perfeito para sua marca. Confira abaixo. 

 

Nomes descritivos 

Em primeiro lugar, temos os nomes descritivos, muito comuns de encontrarmos e que, sem dúvida, ajudam o cliente a entender o que a empresa é e o que ela faz. Ainda, os nomes descritivos contam, por si só, um pouco da história da empresa e o que ela representa no mercado. 

Em contrapartida, é possível que esse nome descritivo a restrinja de diversificar sua gama de produtos ou serviços, ou de até mesmo refletir algo mais criativo, que instigue a curiosidade do público. 

 

Siglas 

Por certo, você conhece grandes marcas que são representadas por siglas, FIAT e IBM, por exemplo. 

Nesse sentido, por serem mais curtas, as siglas são uma boa forma de estabelecer um nome fácil de lembrar. Contudo, geralmente elas vêm de descrições, como Fabbrica Italiana Automobili Torino e International Business Machines, que remetem aos exemplos acima, respectivamente. 

Ou seja, a menos que ela já tenha um histórico bem desenvolvido e conhecido pelo público, dificilmente saberão do que se trata em uma primeira vez. 

 

Nomes inventados 

Em continuação, temos os nomes inventados, fonte de extrema criatividade e poderosos, considerando sua singularidade. 

Os nomes inventados podem ser uma ótima aposta para empresas cujo objetivo principal é sair dos clichês, porém, não carregarão nenhum significado anterior, exigindo ainda mais estratégia e originalidade para ser reconhecida. 

Bons exemplos disso são empresas como o Google e a Kodak, que possuem nomes inventados e são muito bem estabelecidas no mercado. 

 

Nomes sugestivos 

Os nomes sugestivos, ao mesmo tempo que remetem a algum aspecto da marca, também dão espaço para o público captar uma mensagem mais profunda. Por exemplo, a Coca-Cola ou a Havaianas. 

Com efeito, caso o produto ou serviço seja realizado fora de tais condições sugestivas, podem acabar prejudicando a credibilidade da marca. 

 

Focados em experiências 

Assim também, há a possibilidade de nomear a sua marca com base dos sentimentos e/ou expectativas que desejam transmitir. 

Só para exemplificar, pense na Fast Shop, a rede varejista de eletrodomésticos e eletroeletrônicos, cujo nome remete à experiência de uma compra rápida. 

 

Patronímicos 

Em contraste com o anterior, temos os nomes patronímicos, isto é, derivados de nomes de pessoas. 

Em princípio, eles são fáceis de criar e até mesmo de reforçar a identidade de quem está por trás da marca. No entanto, pecam pela falta de criatividade e autenticidade muitas vezes. 

 

Toponímicos 

Por fim, os nomes toponímicos remetem à localidade de origem da empresa ou de seus produtos. Se você reside na região do ABC, provavelmente conhece o Diário do Grande ABC. Outro exemplo seria o The Wall Street Journal, jornal da região de Wall Street, em Nova Iorque. 

Confira também: Planejamento Empresarial – Como Fazer Passo a Passo 

 

Processo de Naming

5 Erros comuns que você deve evitar durante o Naming 

Conforme visto, o processo de naming exige diferentes habilidades criativas e estratégicas. Sem dúvida, quando bem desenvolvido, o naming é capaz de “vender o seu peixe” sem a necessidade de ficar investindo capital constantemente para ser reconhecido. 

Torna-se um processo natural a identificação da história por trás do nome de sua marca, dessa forma, quanto mais instruído você estiver antes de começar a desenvolver seu naming, melhor. 

Nesse sentido, separamos 5 erros comuns que você deve evitar durante o naming. Do contrário, todo o trabalho e esforço colocados sobre esse processo irão por água abaixo, sem repercutir os resultados esperados. 

 

  1. Tentar copiar o concorrente

Antes de tudo, lembre-se de que, aqui, a autenticidade é um elemento-chave, afinal, você não quer ser apenas mais uma marca no mercado, certo? 

Dessa forma, ainda que certo tipo de nome trouxe bons resultados ao seu concorrente, o objetivo é mostrar o diferencial e o potencial que você possui para se destacar dentre os demais. Ser uma cópia está fora das possibilidades. 

 

  1. Desconsiderar o público 

Do mesmo modo, a empolgação para encontrar o nome perfeito para sua marca pode acabar esquecendo alguns aspectos. Por exemplo, desconsiderar a opinião do público. 

Pode ser que, aos seus olhos, o nome criado já seja o suficiente, no entanto, lembre-se de que você deseja vender seus produtos e serviços a clientes. Sendo assim, não se trata da criação de um nome só para você, mas que gere a identificação do público para com sua marca. 

Ademais, seja durante sua gestão de redes sociais ou ao estabelecer estratégias de comunicação com sua persona, considerar o público é sempre um pré-requisito no Marketing Digital. 

Para entender como as estratégias de Marketing Digital podem ajudar você a vender mais e construir sua presença na internet, confira nosso Guia Completo de Marketing Digital. 

 

  1. Ser descritivo demais

Em terceiro lugar, devemos considerar o seu naming como uma porta de entrada para instigar o público a conhecer a marca. 

Sendo assim, nomes descritivos demais acabam não sendo tão interessantes, uma vez que não despertam o interesse por entender o que a empresa tem de inovador. Afinal, ela acaba entrando na seara dos clichês muitas vezes, como lojas com o nome do dono, mais “store” no fim. 

 

  1. Focar em modismos e nomes não atemporais

Um dos piores erros é escolher o nome de sua marca com base em algo que só faz sentido no momento. E você verá que não são necessárias muitas palavras para entender o porquê. 

Pense comigo: se o intuito é estabelecer uma marca sólida no mercado, como você fará isso quando seu próprio nome tem um prazo de validade? 

 

  1. Desconsiderar a pronúncia ou a escrita

Em último lugar, mas não menos importante, chegamos ao ponto capaz de fazer sua marca literalmente “estar na boca do povo” ou não. 

Sem dúvida, um dos fatores relevantes durante o naming é considerar se as opções de nomes são intuitivas, isto é, fáceis de proferir. 

Além disso, no caso de duas palavras ou mais, é importante garantir que sua pronúncia não gere cacofonia, criando um som feio, desagradável ou, pior ainda, cômico. 

 

o que é Naming

 

Como funciona o processo de Naming?

Briefing

Tudo se inicia com a elaboração do briefing, isto é, um documento que guiará o projeto. Através do briefing, é possível visualizar as etapas necessárias durante o processo, bem como determinar suas exigências.

Agora que você já sabe o que é naming e entende a importância de conhecer a fundo a empresa, seus propósitos, serviços prestados e posicionamento no mercado, concordará com a afirmação de que essas são as características-base do processo de criação do nome das marcas.

Com foco em manter a concisão e a objetividade para futuras consultas, o briefing recolherá todas as informações pertinentes para o próximo passo do naming: o brainstorming.

 

Brainstorming

Nesse sentido, o brainstorming é a etapa em que aparecem os primeiros sinais do que pode vir a ser o nome de sua marca. Em outras palavras, anota-se todas as ideias e sugestões que forem surgindo a partir das informações coletadas no briefing.

Trata-se, principalmente, de desmembrar palavras-chave de forma estratégica, pensando na intenção da empresa, no público, no mercado etc.

Para o naming conseguir refletir o melhor de sua marca, é essencial deixar o senso crítico de lado por ora e dar espaço à criatividade. Afinal, todas as ideias devem ser consideradas — até mesmo aquelas que parecerem estranhas em um primeiro momento— e ainda não sabemos qual se mostrará a mais adequada no final.

 

Testes

Com efeito, após anotar uma quantidade significativa de sugestões durante o brainstorming, é a vez de testá-las. Isto é, analisar sua relevância, a combinação de palavras, a pronúncia e a escrita, dentre outros aspectos.

Dessa forma, é possível prever diferentes cenários e a aceitação do público, além do estabelecimento da marca a partir de diversas opções de nome.

 

Está disponível?

Por fim, conforme citamos acima, a disponibilidade para registro é o que definirá se sua marca realmente terá o nome escolhido por você.

Assim, é importante consultar essa questão não apenas para o registro no INPI, mas também com relação à disponibilidade de domínio na internet. Afinal, você não irá querer seu site com um nome diferente do nome de sua marca, certo?

Em conclusão, o processo de naming é, de fato, uma das etapas mais importantes para uma marca. Tanto que podemos considerá-la até mesmo a primeira forma de interação com o público. 

Sendo assim, na dúvida, não hesite em buscar profissionais capacitados para auxiliá-lo no projeto que definirá o nome ideal para seu negócio. Espero que tenha gostado da leitura! 

Esta gostando do conteúdo? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no linkedin

Pronto para criar uma estratégia personalizada para alcançar as metas do seu negócio?

Conte-nos mais sobre sua empresa e seus objetivos de negócio que nós o ajudaremos a traçar a estratégia ideal para alcançá-los.

Inbound Marketing